Doutorado - A construção da identidade profissional do coach e a percepção da qualidade de vida no trabalho

Tipo de evento: 
Defesa
Data e hora: 
16/12/2019 - 14:00 até 17:00

 

Karen Ciaccio Secco

Doutorado - A construção da identidade profissional do coach e a percepção da qualidade de vida no trabalho

Orientadora: Profª. Drª. Ana Cristina Limongi-França

Comissão:  Profs. Drs. Sigmar Malvezzi, Adriana Backx Noronha Viana e Alípio Márcio Dias Casali

Local: Sala 215, FEA-1

Resumo*

A presente tese teve como objetivo avaliar a qualidade de vida no trabalho na identidade do coach, além de buscar relações possíveis entre a percepção de qualidade de vida no trabalho, o bem-estar e a construção desta identidade profissional. Para o desenvolvimento deste estudo, observaram-se as transformações no mundo contemporâneo e suas consequências no ambiente de trabalho, tendo um olhar atento para a construção da identidade profissional do coach, compreendendo como as novas demandas na carreira articulam os conceitos de qualidade de vida no trabalho e bem-estar psicológico. Diante do objetivo proposto optou-se por uma pesquisa com abordagem mista (quali-quanti), caracterizada como um estudo descritivo explicativo que visa aprofundar a compreensão do fenômeno estudado. A pesquisa foi composta por 535 coaches, sendo que 498 participaram por meio do questionário on-line, que fez uso de técnicas estatísticas descritivas, análise fatorial e regressões lineares e 37 respondentes, foram entrevistados por meio de narrativa de história de vida, a partir da pergunta: “Quem é você?”. As entrevistas foram analisadas com emprego da análise do discurso. Os resultados demonstraram que 95% dos indivíduos que buscam a carreira de coaching tem como fator impulsionador o desejo por mais qualidade de vida e melhor qualidade de vida no trabalho. As análises estatísticas indicam que a qualidade de vida no trabalho e o bem-estar psicológico se influenciam mutuamente, bem como o estado de flow, identificados pelos coaches em exercício profissional. Destacam-se ainda os achados de pesquisa: 1) embora a maior parte dos sujeitos atuem como coaches externos, há uma tendência em aumentar 79% a atuação do coach interno nas organizações; 2) quanto maior a experiência do coach, maiores os indicadores de bem-estar psicológico e de qualidade de vida no trabalho; 3) os coaches sentem-se autorrealizados  e felizes em poder trabalhar com que gostam; 4) o coaching é uma atividade profissional de gerenciamento de identidades do indivíduo e da qual emerge uma carreira que abre potencialidades para a gestão da própria qualidade de vida. Concluiu-se que esses profissionais apresentam qualidade de vida no trabalho, porém, a concepção do significado desse conceito, é singular, baseada em sua história de vida e na realidade em que esse profissional atua. Esta pesquisa contribui com a ampliação e o enriquecimento dos estudos sobre a identidade profissional do coach e sua qualidade de vida no trabalho, de maneira, que auxiliam também na atuação dos profissionais de Recursos Humanos, e das demais áreas corporativas que contratam esse serviço. Além, de possivelmente alertar e aumentar a consciência dos profissionais de coach sobre a importância do gerenciamento de sua qualidade de vida, dos riscos e dos desafios presentes nessa atividade ocupacional. 

*Resumo fornecido pelo autor

Departamento:

Voltar para a página de eventos