Atílio Amatuzzi

Foto do Professor Atílio Amatuzzi

Atillio Amatuzzi nasceu em São Paulo, capital, em 1902. Seu pai era dentista e fígaro, tal qual o de Sevilla, e sua mãe, dona de casa. De sangue italiano, foi um menino extremamente religioso, muito estudioso e apaixonado pela contabilidade. Tinha vocação para o ensino. Como professor, foi muito rigoroso: examinava oralmente e individualmente todos os seus alunos.

Graduou-se em Ciências Econômicas e Ciências Contábeis na primeira turma do curso noturno da Faculdade de Ciências Econômicas de São Paulo (Facesp) em 1934. Mais tarde, já na posição de Professor Catedrático da Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas da Universidade de São Paulo (FCEA-USP), cursou Direito no Rio de Janeiro. Formou-se com brilhantismo e entrou para a Ordem dos Advogados do Brasil, no entanto nunca praticou a advocacia.

No anos 30, Amatuzzi se envolveu em movimentos intelectuais e revolucionários. Ajudou a fundar em 1931 o Idort, instituição de caráter educativo e científico-cultural que passou a disseminar os princípios da administração e da organização do trabalho em resposta à crise de 1929. Participou da Revolução de 1932 por São Paulo e, em 1933, foi convidado pelo então Governador Armando de Salles Oliveira para tomar parte do grupo de estudos para a fundação da Universidade de São Paulo, que se deu em 1934.

Em 1935, recém-formado, Amatuzzi organizou pela primeira vez o Sindicato dos Contabilistas. E, no ano seguinte, 1936, fundou e assumiu a função de vice-presidente da Ordem dos Economistas do Brasil.

Entrou para FCEA como professor contratado para a Cadeira de Contabilidade Geral e Pública após concurso de títulos no ano da fundação da faculdade, em 1946. Como professor catedrático da FEA, fundou a Contadoria Piloto, uma espécie de Laboratório Didático de Ensino de Contabilidade.

Como orientador, travou estreita relação com Sergio de Iudícibus, Gianpaolo Falco, João Sayad, Delfim Netto, Lidiberto Villar, André Franco Montoro Filho e Alkíndar Toledo Ramos que considerava seus pupilos.

Aposentou-se em agosto de 1963. Recebeu homenagem póstuma de Professor Emérito da FEA em solenidade realizada em 24 de abril de 1987.

Mais do que uma juventude dedicada aos números, Amatuzzi também desempenhou atividades pitorescas. Foi Campeão Paulista de Saltos Ornamentais, Campeão Brasileiro de Remo e Campeão Paulistano de Xadrez. Além disso, gostava de relojoaria e mecânica de carros, atividades que aprimorou no outono de seus anos.

Além do mais, foi secretário da Fazenda do Estado de Santa Catarina, trabalhou no departamento de Estrada de Rodagem do Estado de São Paulo e na Cooperativa Central de Laticínios do Estado. Atuou ainda na administração do Hospital das Clínicas. E foi professor da Faculdade de Engenharia Industrial (FEI).

Principais livros publicados:

- A Contabilidade em Fase da Estatística, São Paulo, 1947;

- Elementos de Contabilidade Geral, São Paulo, 1949;

- A Contabilidade Pura, São Paulo.

Faleceu em janeiro de 1967 em São Paulo. Deixou os filhos Marco Amatuzzi – Médico, Professor Titular, hoje Emérito, da Faculdade de Medicina da USP; Mauro Amatuzzi – Filósofo, Psicólogo e Teólogo – Prof. Associado da USP e da PUCCamp; e Márcio Amatuzzi – Médico Ortopedista.