FEA X FEA - O sucesso da III Jornada Atuarial

“O mercado cresce cerca de 10% ao ano e exige muito. Conhecimento técnico, matemático, empresarial, mercadológico, investimento de risco e administração de ativos da empresa.”

    NOS DIAS 11 E 12 DE SETEMBRO, PROFISSIONAIS CONCEITUADOS DO MERCADO ESTIVERAM NA FEA PARA A II JORNADA ATUARIAL. O evento, que contou com 150 participantes por dia e reuniu estudantes e profissionais, abordou temas como as perspectivas do mercado de seguros, saúde suplementar, regulação, as mudanças do resseguro no Brasil, microsseguro e o mercado de trabalho para o atuário.

    Segundo o professor Luís Eduardo Afonso, coordenador geral da Jornada, “o evento tem sido um sucesso desde a primeira edição, com pessoas representativas do mercado, do governo, de entidades de classe e acadêmicos”, o que mostra o interesse do mercado e a importância do atuário para a economia do Brasil. “Os palestrantes foram unânimes em falar que existe uma procura muito grande por atuários. O mercado cresce cerca de 10% ao ano e exige muito. Conhecimento técnico, matemático, empresarial, mercadológico, investimento de risco, administração de ativos da empresa e outros”, destaca o professor Luís Eduardo. 

    “Os temas foram muito bons, gostei das apresentações dos dois representantes dos órgãos reguladores, Alexandre Penner e Rosana Neves (ver abaixo), sendo a segunda, pelo pouco conhecimento que tenho do tema, a mais esclarecedora”, conta o estudante Felipe Araldi, do 4º semestre de Ciências Atuariais da UFRGS, que veio à FEA para participar da Jornada e escreve sobre o mercado atuarial no blog Provisões Blogue.

    O interesse pela Jornada trouxe à FEA e ao curso de Atuária visibilidade e reconhecimento por realizar um dos principais eventos do mercado atuarial no Brasil. “Vieram alunos do RJ, MG, RS. Estamos começando a ter um evento de escala nacional”, conta o professor Luís Eduardo.

PALESTRAS E TEMAS DA III JORNADA ATUARIAL

Alexandre Penna, diretor técnico da Susepe (Superintendência de Seguros Privados): abordou as novas atribuições da Susepe, cobertura de resseguro, microsseguro e as funções do atuário na área governamental. 

Henrique Abreu de Oliveira, diretor-presidente da Swiss Re: abordou mudanças no mercado com a abertura do resseguro, tendências de fusão entre atividades de seguro e resseguro e tendências do setor.

Roberto Westenberg, sócio da PwC: falou sobre as novas caracterizações do atuário e a utilização de processos de Teoria do Risco Coletivo. Destacou a importância da vida acadêmica para a prática no mercado. 

Jorge Noronha, diretor atuarial da Sul América: falou sobre Capital Econômico, Solvência e Modelos Internos, temas relacionados às reservas que as empresas mantêm e à maneira com que lidam com o risco – tema muito importante diante da crise atual.

Rosana Neves, gerente da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar): abordou as atribuições da ANS, o papel do atuário nos planos de saúde e as mudanças de regulamentação.

Leôncio de Arruda, presidente do Sincor (Sindicato dos Corretores de SP): falou sobre o papel do corretor, ética na venda de seguros e relação do corretor com o atuário.

Data do Conteúdo: 
quarta-feira, 1 Outubro, 2008

Departamento:

Sugira uma notícia