Entidade lança desafio universitário voltado à primeira infância

César Costa

 

O que você pode fazer para mudar o futuro? Com esse slogan, a Associação Nacional das Universidades Particulares (ANUP), em parceria com a fundação holandesa Bernard van Leer, está lançando um desafio para professores e estudantes universitários, que visa transformar a educação e o desenvolvimento das crianças brasileiras. 

 

O projeto Desafio Universitário pela Primeira Infância pretende inserir conteúdos relacionados à primeira infância nos currículos dos cursos de graduação. Segundo especialistas, é no período entre o nascimento e os seis anos que o cérebro tem maior desenvolvimento.    

 

Uma das integrantes do projeto é Denise Dalmarco, ex-aluna de graduação e mestrado da FEAUSP. Segundo ela, o Desafio é uma forma de impulsionar o envolvimento de instituições de ensino superior com a temática da primeira infância, visando promover um melhor desenvolvimento infantil por meio de cidades mais sustentáveis e “amigas” das crianças, além de relações de parentalidade mais saudáveis. “Para isso, buscamos inserir conteúdos na formação de profissionais de diversos campos do saber”.

 

Para conquistar o engajamento das instituições, Denise Dalmarco disse que a ANUP se propôs a mapear instituições, docentes e alunos que tenham interesse em ser protagonistas dessa mudança, conectando iniciativas e buscando fomentar a troca de conhecimento e boas práticas.  

 

Na visão de Denise, com essa proposta tendo sucesso, as consequências seriam gerar conhecimento sobre o tema nos futuros profissionais, que representam o mercado de trabalho futuro. Assim, haveria uma maior preocupação em atuar de maneira consciente para proteger e desenvolver com mais cuidado a primeira infância. 

 

Como funciona o desafio

 

As inscrições devem ser feitas até o dia 16 de agosto por meio do site www.desafiouniversitario.com.br. De acordo com o regulamento, os participantes deverão fazer propostas de atividades acadêmicas que proporcionem a atuação prática dos alunos com a comunidade externa à instituição de ensino superior.

 

São buscadas iniciativas relevantes, inovadoras, com alto potencial de impacto na primeira infância, e com efetivo potencial de inclusão dessa temática nas universidades. 

 

Denise Dalmarco explica que durante o processo de seleção será feita a aceleração dos projetos que forem avançando de fase. Os candidatos poderão contar com o apoio de especialistas em temas relacionados à primeira infância e, também, profissionais reconhecidos no campo de impacto social.

 

Os 10 finalistas terão seus projetos publicados num livro editado pela Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI), em português e espanhol. Serão escolhidos até três vencedores, que ganharão R$ 10 mil para implementar seus projetos no primeiro semestre de 2021. 

 

 

 

 

 

 

Data do Conteúdo: 
quarta-feira, 1 Julho, 2020

Departamento:

Sugira uma notícia