Disciplinas

Análise das Decisões na Incerteza


Disciplina: EAD5853-8

Área de Concentração: 12139

Número de Créditos: 8

Carga do curso:

Teórico
(Por semana)
Prática
(Por semana)
Estudos
(Por semana)
DuraçãoTotal
42215120
Objetivos:
Diferentes áreas de pesquisa acadêmica, tanto a linha prescritiva (por exemplo, a análise de decisão) como a linha descritiva (tais como psicologia, sociologia e ciência política) vem contribuindo para o melhor entendimento sobre a tomada de decisão em organizações. Essa disciplina objetiva a introdução, de forma integrada, desses conhecimentos para os pós-graduandos em administração com a intenção de melhorar a tomada de decisão em organizações e promover pesquisas nessa área de estudo.

Justificativa:
Como a qualidade das decisões, particularmente as estratégicas, molda o caráter e o desempenho das organizações (públicas e privadas), diversas áreas acadêmicas, além da administração, estudam a tomada de decisão sob diferentes perspectivas. O entendimento dessas distintas perspectivas é relevante para a pesquisa em administração, mas dificultado por existência de “linguagens” até certo ponto divergentes. A presente disciplina busca uma visão integrada desses conhecimentos, sob o ponto de vista de administração, para os pós-graduandos.

Conteúdo:
Conteúdo prescritivo:
• Definição de problema e objetivos
• Geração de alternativas
• Identificação de consequências
• Decisão com objetivos múltiplos
• Decisão sob incerteza e dependência probabilística
• Atitude em relação ao risco
• Aplicações típicas em empresas
Conteúdo descritivo:
• Psicologia cognitiva: vieses comuns e julgamento sob incerteza
• Psicologia evolucionária
• Politics organizacional e tomada de decisão
• Intuição e tomada de decisão
• Tomada de decisão estratégica

Avaliation methods:

• Exercícios (20%)
• Coordenação das discussões (20%)
• Participação em classe (10%)
• Prova (20%)
• Trabalho final (30%)

Notas:

Bibliografia:
Livros texto:
BAZERMAN, Max e MOORE, Don. Processo decisório. 7ª Edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.
MCNAMEE, Peter e CELONA, John. Decision analysis for the professional. 4th Edition, SmartOrg, 2007.

Artigos:
BOND, S. D.; CARLSON, K. A. e KEENEY, R. L. Generating objectives: can decision makers articulate what they want? Management Science, v. 54, n. 1, January 2008.
COSMIDES, L. e TOOBY, J. Evolutionary psychology: a primer, UC Santa Barbara, 1997
EISENHARDT, K. M. e BOURGEOIS III, L. J. Politics of strategic decision making in high-velocity environments; toward a midrange theory, Academy of management Journal, v. 31, n. 4, 1988
ELBANNA, S. Strategic decision-making: process perspective, International Journal of Management Reviews, 2006; Volume 8 Issue1; pp. 1-20
FOX, J. Instinct can beat analytical thinking. Harvard Business Review, June 20, 2014
FRENCH, S. Cynefin, statistics and decision analysis. Journal of Operational Research Society, V. 64, n. 4, 2013
GREGORY, R.; FISCHHOFF, B.; MCDANIELS, T. Acceptable input: using decision analysis to guide public policy deliberations. Decision Analysis, v. 2, n. 1, March, 2005.
HODGKINSON, G. P.; SADLER-SMITH, E.; BURKE, L. A.; CLAXTON, G.; SPARROW, P. R. Intuition in organizations: implications for strategic management. Long Range Planning, 42, p. 277-297, 2009
JONE, B. D. e BAUMGARTNER, F. R. The Politics of Attention: How Government Prioritizes Problems. Chicago: The University of Chicago Press, 2005
KEEFER, D. L.; KIRKWOOD, C. W.; CORNER, J. L. Perspective on decision analysis applications, 1990-2001. Decision Analysis, v. 1, n. 1, p. 4-22, March, 2004.
KEENEY, RL, Making better decision makers. Decision Analysis, v. 1, n. 4, December, 2004.
LIPSHITZ, R.; KLEIN, G.; ORASANU, J.; SALAS, E. Taking stock of naturalistic decision making. Journal of Behavioral Decision Making, v. 14, n. 5, p. 331-352, 2001.
MARCH, J.G. Bounded rationality, ambiguity, and the engineering of choice, in BELL, D.E. et.al. Decision Making – descriptive, normative, and prescriptive interactions. Cambridge: Cambridge University Press, 1988.
MINTZBERG, H.; RAISINGHANI, D.; THEORET, A. The structure of “unstructured” decision processes. Administrative Science Quarterly, 21(2), p. 246-275, 1976.
ROBERTO, M., Strategic decision making processes: beyond the efficiency – consensus trade-off. Group & Organization Management, v. 29, n. 6, Thousand Oaks, dec., 2004.
SADLER-SMITH, E.; SPARROW, P. R. Intuition in organizational decision making. In Hodgkinson, G. P. e Starbuck, W. H. (Eds.), The Oxford Handbook of Organizational Decision Making. Oxford: Oxford University Press, 305-24, 2008
SANFREY, A. G.; LOEWENSTEIN, G.; MCCLURE, S. M.; COHEN, J. D. Neuroeconomics: cross-currents in research on decision-making. Trends in Cognitive Sciences, v. 10, n. 3, March, 2006.
SHARPE, P.; KEELIN, T. How SmithKline Beecham makes better resources-allocation decisions, Harvard Business Review, 3, January, 1998.
SNOWDEN, D. J.; BOONE, M. E. A leader’s framework for decision making. Harvard Business Review, November, 2007.
STONE, D. Policy Paradox: The Art of Political Decision Making, Revised Edition, W. W. Norton & Company, 2002
STONEBRAKER, J. S. How Bayer makes decisions to develop new drugs. Interfaces, v. 32, n. 6, p. 77-90, nov.-dec., 2002.
TVERSKY, A.; KAHNEMAN, D. The framing of decisions and the psychology of choice. Science, v. 211, issue 4481, Jan. 30, 1981
YU, A. S. O. (coordenador), Tomada de decisão nas organizações. Editora Saraiva, 2011.