Doutorado - Ações políticas corporativas individuais e coletivas para inovação: avaliação dos antecedentes e dos impactos por meio de uma simulação empresarial

Tipo de evento: 
Defesa
Data e hora: 
03/04/2019 - 09:30 até 12:30

 

Fernando Kaname Westphal

Doutorado - Ações políticas corporativas individuais e coletivas para inovação: avaliação dos antecedentes e dos impactos por meio de uma simulação empresarial

Orientador: Prof. Dr. Paulo Roberto Feldmann

Comissão: Profs. Drs. Renata Giovinazzo Spers, Rafael Ricardo Jacomossi e Marco Antônio Silva

Local: Sala 217, FEA-5

Resumo*

As ações políticas corporativas baseiam-se em interações entre empresas e governos e, como fenômeno de estudo, são abordadas sob diferentes perspectivas, entre elas, a avaliação das condições internas e externas à firma que explicam as decisões políticas das empresas, conhecidas como antecedentes do comportamento político. O estudo das ações políticas no contexto da inovação foi motivado pelo cenário regulatório brasileiro das políticas de Ciência Tecnologia e Inovação - CT&I, em particular, a regulação das interações empresas-governos. Assim, o objetivo da pesquisa foi analisar os efeitos da comunicação e dos antecedentes da firma nas ações políticas corporativas, individuais e coletivas, e seus impactos na decisão de investimento privado em pesquisa e desenvolvimento. A fundamentação teórica baseou-se em estudos anteriores dos antecedentes das ações políticas, na discussão das ações coletivas envolvendo bens públicos e nos determinantes dos investimentos em P&D. A literatura sobre experimentos econômicos lineares com bens públicos e de simulação e jogo de empresas forneceu o delineamento metodológico que permitiu a adaptação e utilização da simulação BSS – Business Strategy Simulation (Mrtvi, 2012) como ambiente de pesquisa para a condução do quase-experimento. A pesquisa classificou-se como quantitativa e explicativa, e foi conduzida com 72 universitários do curso de administração de uma universidade pública, que tomaram decisões ao longo de 11 rodadas, totalizando 575 observações válidas. Os dados foram analisados por meio de regressões com dados em painel e efeitos fixos e utilização de variáveis instrumentais. Sob uma perspectiva institucional, verificou-se que, mesmo diante de incerteza e do problema de ação coletiva, a ineficiência das firmas, a escassez de recursos e a comunicação constituem importantes antecedentes da ação política individual e coletiva considerando um cenário em que há: a) abordagem política relacional (maior frequência das interações) que possibilita acesso ao mercado político; b) um cenário de competição oligopolista em que empresas se beneficiam da diferenciação de produtos; e, c) ausência de restrições aos investimentos em P&D (disponibilidade de saldo de caixa e direitos de propriedade). Apesar dos resultados sugerirem um comportamento rent-seeking e marcado pela ineficiência da firma, verificou-se a existência de efeito de adicionalidade entre ações políticas corporativas e investimentos privados em P&D, ou seja, investimentos em ações políticas não funcionariam como substitutos dos investimentos em P&D. O estudo contribui para a compreensão das ações políticas das firmas numa perspectiva de múltiplas alternativas de ação (individual e coletiva) com implicações para o design de políticas públicas para inovação no que tange o comportamento político das firmas em situações de mercados imperfeitos. Sugere-se, para futuras pesquisas, o desenvolvimento de modelos que incorporem o desempenho das ações políticas bem como a investigação de modelos não-lineares no que se refere a determinação dos investimentos privados em P&D.

*Fornecido pelo autor

 

Departamento:

Voltar para a página de eventos